Agora sob o luar
Vida
¤ 26-01-2005
 
Link-me
 

 
Música
 

Enya
Lothlorien
Shepherd Moons

 
 
 
Fale Comigo
Fale Comigo
eXTReMe Tracker
Divulgue o seu blog!
 
BlogBlogs
Quem Sou
 
A Idade: 47 anos
O Signo: (21/02)

A Cidade: Ribeirão Preto
Um Perfume: Bulgary
Um Filme: Encontro Marcado
Um Livro: Brumas de Avalon
Uma Música: Mercy Street - Peter Gabriel
Uma Bebida: Vinho seco
Um Lema: Não fazer aos outros o que não quero que façam para mim...
Uma lição: Sempre colhemos o que plantamos.
Posts Antigos
 
Veja os posts aqui
Blogs Amigos
 

EU...(DEUS MALUCÃO)

A boa esposa e Pensando Naquilo
Algo Diferente
As Beatas da Urca
Azedinho Doce

Blog Berona
Blog da Magui
Blog News
Bolsa de Mulher
Brincando Com Palavras

Café no Cafofo
Caldeirão do Mago
Cantinho da Donna
Caminho Livre
Caos
Chutanto o Bardi
Complexogel
Crepúsculo dos Deuses

Dagomir Marquezi
Decore Sua Alma
Davidson
Desassistidas
Devaneios by Ju
Diva Marquezi
Doce Vida

Engenics
Esculacho e Simpatia
Espelho da Alma

Falando com o Coração
Feitiço de Afrodite
Frog

Imagem Perspectiva
Ivan
Ivan Bento

Jardim em Flor
Just Fe

Labellaluna® Web
Labellaluna® Midis
Lápide
Loba, Corpus et Anima
Lua e Poemas

Magali
Marta Matos
Mary Help
Meu Mar Azul
Meus Momentos
Minha Vida em Pto e Bco
Mude
Mulher de Fases

Nas Esquinas da Farme
Néco
Nos Bares da Vida
Nossa Pele®
Notas de Um Velho Safado

O Meu Caminhar
O Diário da Sonia
O Fim da Várzea
O Tecladista
Os Caminhos de Hécate
Os Escolhidos
Ostra Nervosa

Páginas Viradas
Pétalas
|>Phoenix-Maktub<|
Poeblog
Poetrando
Prazeres Felinos
PsycoReal

Radar
Rafa
Rascunhos da Alma
Reflexões sobre a existência
Renatinha
RJ Turismo

Sabor Erótico
Samira
Segredos e Surpresas
Segredo Meu..Agora Teu
Seu Madruga é Rei
Soldier
Sonhando Acordada
Suellen

Team Penning-Paulo
Tempestades Neurais
Tio Cavanha!
The Who by Blogger
Too Much Cooffe

Versos & Corpos

 
Nota 10


























Comentaram
 
 
Vote
 

Avalie essa lua

Indique esse Luar

 
Visitando
 
Prêmios
 
 
 
 
 
 
Layout por Mim
 
 
 


QUANDO OS ANOS DOBRAM...

Recebi esta mensagem, que é mais uma declaração, por e-mail e trago aqui para compartilhar com vocês.

Eu recordo, falava a senhora, no círculo de amigas, como eu era. Impetuosa, falava sem pensar. Dizia o que me vinha à cabeça e achava que era dona do mundo.

Caprichosa, queria as coisas do meu jeito e gritava, e exigia, sem parar.

Meticulosa, atinha-me a mínimos detalhes. Arrumava o quadro que estivesse um milímetro torto na parede, arrumava o enfeite sobre a mesa.

Entrava em casa e meus olhos procuravam algo que estivesse fora do lugar, para eu ter o prazer de colocar no lugar. E reclamar de quem não o colocara exatamente como eu desejava.

Meu armário de roupas era impecável. Todas as roupas alinhadas, divididas por estação, por cores.

Eu podia procurar uma roupa no escuro e a encontrar. Mas, ai de quem ousasse mexer no armário.

Eu tinha a capacidade de saber se alguém sequer abrira o armário. E era motivo para uma grande discussão.

Tinha os livros em uma grande biblioteca. Separados por autor. Por assunto. Tudo em absoluta ordem alfabética, para facilitar a busca.

Naturalmente, ninguém podia tocar nos livros a não ser que eu apanhasse a obra e a entregasse em mãos.

E as recomendações eram inúmeras. “Cuidado com a capa. Não amasse. Lave bem as mãos antes de abrir o livro.”

Sim, eu era assim. Nada do que qualquer pessoa fizesse era suficientemente bom para mim.

Eu fazia a limpeza da casa, porque ninguém fazia como eu. E consumia as horas em ordenar, alinhar, agrupar, ajustar. Para tudo ficar sempre impecável. Um brinco.

O tempo passou. E descobri que eu estava errada em muitas coisas.

Quando minha irmã partiu, bruscamente, levada por um acidente de carro, senti o coração despedaçar.

Então, olhando a casa vazia da sua presença, me perguntei de que valia tudo estar em ordem, impecável?

Eu daria tudo para que ela estivesse ali, e entrasse e bagunçasse os meus livros, a minha louça, as minhas coisas.

Queria vê-la abrir meu armário e escolher uma roupa para vestir, retirando da ordem tanta coisa que estava ali, parada, sem uso.

Depois, partiu meu irmão, minha mãe. Um a um, eles se foram.

E, a cada partida, eu fui descobrindo que o bom é se ter a casa para as pessoas entrarem e se sentirem bem. Viverem, sem serem sufocadas.

Descobri que mais importante do que tudo, aquelas presenças agora ausentes é que davam mesmo sentido à minha vida.

E, então, eu mudei.

Ainda gosto, sim, das coisas arrumadas, em ordem. Mas, sem exageros.

Meus sobrinhos entram em minha casa e brincam. E pulam, sentindo-se à vontade.

Sento-me com eles no chão para folhear os livros, ler histórias, olhar gravuras.

E enquanto lemos, comemos pipoca, chocolate. Tomamos suco.

Como é bom saborear histórias com alguém ávido de curiosidade. Mesmo que tenha os dedinhos sujos de chocolate ou engordurados pela pipoca.

Meu armário de roupas já não anda tão intocável assim. As sobrinhas adoram procurar algo diferente para usar. Nem que seja para o baile à fantasia com suas amigas.

Aprendi a aceitar o trabalho alheio e respeitá-lo, agradecendo.

As horas que passaria encerando, limpando, lustrando, lavando, eu dedico às crianças, aos jovens, aos meus amores.

Sim, eu mudei muito. A vida me ensinou.

Pena que eu tenha precisado receber tantos recados de perdas, para poder aprender.

Poderia ter sido muito mais feliz, desde há muito tempo.

Agradeço a Deus, no entanto, ter acordado a tempo de ainda desfrutar muitas alegrias, na Terra.

Sinceramente espero que ninguém precise passar por isso para aprender.
 
 
Momento Espírita

Quanto mais os anos passam...
Quanto mais eu aprendo...
Mais eu quero você...
Regiane

ETA
Come away with me



Enluarado por: Labellaluna® às 10:59

** **  *Leia o Blog News*


 


  Layout exclusivo - Labellaluna® Web